Uncategorized

MOVIMENTO DAS MULHERES INDIGENA NO RIO NEGRO-AM

 

 

1987 – A mulher vem participando direta e indiretamente do movimento indígena, a participação da mulher durante algum tempo ficou muito obscura, não tinha vez nem voz dentro da associação. Maioria das vezes só o homem tinha direito de participar do encontro, ser líder, presidente de associação.

  • A mulher participava dos encontros, mas pouco falava;
  • A mulher sempre cuidou da criação dos filhos, e do trabalho na agricultura durante as ausências do marido nas aldeias.
  • Então aos poucos foram aparecendo associações de mulheres, que surgiram para fortalecer o movimento político do Rio Negro.
  • A mulher indígena também participou na luta pela demarcação da terra.

2000 – Em outubro, na Assembléia Geral e Eletiva da FOIRN as mulheres reivindicaram e discutiram que deveria ter uma mulher na diretoria da FOIRN, e conseguiram colocar a Sra. Rosilene Fonseca Pereira na Diretoria, com o objetivo de fortalecer as associações de mulheres. Com a proposta aprovada de ter uma mulher na Diretoria, ficou garantido que as mulheres pudessem ter mais voz dentro do Movimento Indígena do Rio Negro.

2001 – Foram inúmeras discussões da Rosilene com os demais membros da Diretoria, assessoria para a realização do I Encontro de Mulheres Indígenas do Rio Negro.

2002 – Em janeiro, realizou-se o I Encontro de Mulheres Indígenas do Rio Negro, onde participaram 52 mulheres indígenas, e 15 lideranças masculinas. O objetivo principal do encontro foi fortalecer a atuação, o trabalho e a organização das mulheres em seus conhecimentos e suas habilidades. O assunto principal de interesse dessas mulheres era os problemas relacionadas à produção e comercialização do excedente da roça e dos produtos de arte feitos em tucum, piaçava, cipó, outras fibras e cerâmica. As mulheres presentes foram das etnias: Baré, Tariano, Tukano, Piratapuia, Baniwa, Werekena, Wanano, Curipaco, Arapaço e yanomami, que representavam as associações femininas: AMIDI, AMITRUT, UMIRA, AMAI. O resultado dessa discussão resultou a criação do Departamento de Mulheres.

OBJETIVOS:

  • Apoiar pesquisas sobre artesanato;
  • Auxiliar e incentivar associações;
  • Apoiar a elaboração de projetos;
  • Articular reuniões;
  • Criar programa de rádio para mulheres.

 

ATUAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MULHERES

O DMI vem desenvolvendo atividades do Fundo Rotativo, cujos objetivos é apoiar pequenos projetos que estejam voltados para os direitos e a melhoria da qualidade de vida das mulheres indígenas da região do Rio Negro; do resgate da cultura original esquecida; valorizar o trabalho da mulher indígena. O DMI também atende convites externos para participar de Encontros e Seminários.

Outubro de 2003 – II Encontro de Mulheres Indígenas que reuniu 50 mulheres. O tema discutido foi a Saúde.

Janeiro de 2004 – III Encontro de Mulheres indígenas, reuniu 38 mulheres. O objetivo foi para refletir sobre as necessidades das mulheres em relação aos seus projetos de auto-sustentação; administração das organizações indígenas, funcionamento regular de uma associação: registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), atas das reuniões e eleições das diretorias, tipos de reuniões (ordinárias e extraordinárias).

Agosto de 2004 – IV Encontro de Mulheres Indígenas. Neste encontro foram discutidos os temas de Saúde da Mulher, Cidadania, a Questão de Gênero, Políticas Públicas.

Março de 2005 – V Encontro de Mulheres Indígenas. Temas discutidos foram Saúde da Mulher, Sustentabilidade econômico, Fundo Rotativo e fortalecimento institucional das associações.

Dezembro de 2005 – II Assembléia Eletiva da Coordenação do DMIRN. Os temas discutidos foram: Saúde e atuais desafios da mulher indígena; fortalecer a discussão sobre o gênero e educação; Direito e deveres da mulher indígena.

Março de 2006 – VI Encontro de Mulheres Indígenas do Rio Negro com o objetivo de: comemorar o Dia Internacional da Mulher; discutir estratégias com as mulheres para ampliar a sua participação na elaboração das políticas publicas de saúde e no controle social, visando a melhoria dos serviços de saúde a elas oferecidos. Temas: Direitos da Mulher; Políticas públicas; saúde da mulher; educação; cidadania, questões de gênero; comercialização de produtos artesanais e direitos sexuais e reprodutivos.

 

Linhas de ações 2007 a 2010 – Colômbia / Bogotá

1 – Fortalecimento da produção e comercialização de artesanato e produtos agrícolas.

2 – Capacitação em saúde das mulheres indígenas, incluindo as jovens através de atividades nas escolas e nos bairros.

3 – Entrevistas com as mulheres idosas sobre saúde da mulher e formação de mulheres indígenas como multiplicadoras dos conhecimentos da saúde.

4 – Fortalecimento do Depto de Mulheres da FOIRN na formulação e gestão de projetos.

 

2007 – Maio – I Encontro de Mulheres Indígenas do Triangulo Tukano.

Junho – Encontro regional de Mulheres Indígenas da região do rio Içana, Ayari, Xié e Alto Rio Negro.

Avaliação de 05 anos de atividades do Fundo Rotativo e da discussão de uma mulher na diretoria da FOIRN.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Terra e Cultura

Blog da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro

Blog II da EIBC Pamáali 2014 a 2016

Bem-Vindo ao blog II da escola Pamáali, localizada no Médio Rio Içana-Alto Rio Negro. Aqui você encontra notícias da região do Alto Rio Negro sobre Educação Escolar Indígena e outros assuntos. Deixe seus comentários!

CAIMBRN

Coordenadoria das Associações Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro

Blog do Povo Baniwa e Koripako

Nossa presença na Web

Antropologia médica

Diálogos entre pesquisadores latinoamericanos

Lúcio Flávio Pinto

A Agenda Amazônica de um jornalismo de combate

Uma (in)certa antropologia

Notas sobre o tempo, o clima e a diferença

Rio Negro

Blog do Ray Baniwa

%d blogueiros gostam disto: